11 / 52 weeks
Não tenho conseguido sair de casa. Sei que eu disse que não ia me abalar, mas está complicado. Tenho que resolver coisas pendentes que se possível eu adiava, mas é impossível. Tenho que encarar pessoas que eu não tenho a menor vontade de dar nem um "olá" e sei que vou ouvir comentários escrotos que eu não precisaria ouvir se eu tivesse sido contida. Se eu não tive comentado nada a respeito do que poderia acontecer, antes de fato acontecer. E já estou de saco cheio. Mas como não da pra ter tudo que se quer, eu bem sei disso,  vamos tentar pelo menos manter o blog atualizado. 

Queria que vocês soubessem que eu não tenho essa mania de reclamar de tudo, mas é que a barra ta pesada e se eu não desabafar eu vou enlouquecer. Tenho mania de sempre tirar o lado bom de tudo - vulgo jogo do contente - mas por enquanto o desânimo não está me cabendo no peito. 

MEUS BRINQUEDOS PREFERIDOS NA INFÂNCIA

Pelúcia sempre foi meu brinquedo predileto. Lembro que tinha algumas quando criança. Hoje não sei o que foi feito delas, mas o que eu mais gostava era jogá - las pro alto... Ou seja, fazê - las de bola, rs. 

Não tive muitos amigos e nem muitos brinquedos, mas eu tinha algumas panelinhas que eu usava pra "brincar de casinha". Pegava terra, água e a comida das minhas bonecas estavam prontas. Eu sempre me contentei com o pouco e nunca tive problemas em brincar sozinha. 

Quando estava abusada de tudo que já tinha feito pegava as motos do meu irmão e ia pra rua fazer estradas por onde elas poderiam passar. No entanto, até hoje nunca quis aprender andar de moto. Não me chama tanta atenção como antes. Sim, inusitado.

Só tive uma boneca na minha vida e até acho que ganhei de presente. Nunca pedi nada a minha mãe, além de comida. Eu tinha a consciência de que se ela pudesse me dar algo ela me daria sem que eu precisasse pedir. Não sei também o que foi feita dela. Sei que ela era bonita e que eu adora dormir com ela.

Daí cresci um pouco e descobri que poderia tentar fazer amizades com as crianças aqui da vizinhança. E foi quando começamos a jogar bola (queimado, salada mista, etc).  Mas com as amizades também vieram as desilusões e brigas. Como sou mais na minha acabei ficando sozinha novamente pra evitar as tais brigas, rs.

Infância, palavra que não existe mais nos vocabulários das crianças de hoje. No entanto foi a melhor época da minha vida.

Marcadores:


COMENTÁRIOS


  Desabafe conosco sempre que quiser; estamos aqui :)

Concordo com você no que toca à infância ser uma fase maravilhosa, e tenho muita pena de quem não pode aproveitá-la...

posted on 30 novembro, 2016


  Oi, Nathy!
Ah, pode desabafar sim! Aqui é liberado e, além disso, é sempre bom ter com quem colocar pra fora tudo o que te atrapalha, nem que seja pelo blog.
Eu não tinha muitas pelúcias porque juntavam muita poeira e ácaro e eu tive problemas com rinite, mas eu tinha um ursão branco e, nossa, como eu amava.
Brinquei muito sozinha também, mais por estudar em períodos diferentes dos meus amigos, então eu gostava de ficar inventando brincadeiras. Eu era bem criativa pra isso, criava brincadeiras com poucos brinquedos e que eu poderia brincar em casa mesmo.
Identifiquei-me um pouco com as panelinhas, eu gostava de fingir que minhas bonecas e alguns brinquedos miniatura eram meus clientes e eu a cozinheira. No fim, sou péssima na cozinha.
Eu adorava as bonecas, mas não sabia brincar direito de "mamãe e filhinha", não tinha muita paciência.
Jogar bola eu joguei mais depois dos 11 anos, é sério, nunca fui boa nesses jogos (perna de pau), mas adorava jogar queimada e pega-bandeira só pra ficar correndo mesmo. Por algum motivo eu me sentia incluída sem mesmo precisar triscar na bola.
A infância é realmente uma das melhores fases, sem muitas preocupações. Não fui de mexer com o computador nessa época, então as minhas memórias envolvem muito os amigos.

Adorei a postagem!
Beijos!

posted on 30 novembro, 2016


  Poxa vida, torcendo para essa fase terrível passar bem rápido, viu? Será que é o acúmulo das bad vibes do ano todo? Vem logo 2017!

Eu tive uma infância maravilhosa também, com poucos (e bons) amigos/ poucos (e bons) brinquedos. Hoje em dia parece que as crianças tem muito de TUDO e não sabem dar valor para nada. :(

posted on 30 novembro, 2016


Postar um comentário

Sinto-me extremamente grata por tirar um tempinho do seu dia, para me alegrar com seu comentário. Sua opinião a mim é muito importante. Ajuda-me a te conhecer melhor e formar um vinculo legal.

P.S. não irei responder seu comentário por aqui, mas deixe o link do seu blog para que eu possa retribuir a visita. Gratidão.

30 de nov de 2016 - Com Carinho, nnt
~next~ ~previous~